WhatsApp_Image_2021-07-12_at_21.24.09-removebg-preview-300x235

Jogador da NBA ignora críticas e diz que ‘Jesus é resposta para o mundo’


Jonathan Isaac, jogador da NBA, está habituado a contrariar o senso comum e lidar com as reações raivosas da multidão. Numa entrevista recente, o atleta cristão afirmou que mantém sua postura porque “sabe o que está defendendo”.

Jogador do Orlando Magic, em 2020 Isaac se recusou a ajoelhar em apoio ao Black Lives Matter, ou mesmo usar a camiseta do movimento ativista que capitalizou politicamente após o assassinato de George Floyd.

No ano seguinte, em meio às polêmicas sobre a obrigatoriedade dos imunizantes contra a covid-19, o atleta voltou a se posicionar, opondo-se ao passaporte de vacina.

Embora suas ações tenham provocado uma tempestade na mídia, o ministro ordenado de 24 anos deu uma explicação simples para sua decisão: o Evangelho, e não um movimento político, é a resposta ao preconceito, agitação racial e dor.

“Acredito que Jesus Cristo é a resposta para todos os problemas do mundo”, disse Isaac ao portal The Christian Post. “Qualquer estrutura política ou ideologia não possui, por si só, as ferramentas necessárias para a salvação, o que acredito ser o que todos precisam”.

O atleta disse que o movimento Black Lives Matter está “em última análise, impulsionando uma agenda” e tentando servir como “salvador da raça negra”, o que contraria a Bíblia Sagrada.

“Eu não acho que eles estão qualificados o suficiente para fazer isso. Ao olhar para o mundo, vejo que o racismo não é a única coisa que atormenta o coração dos homens. Mas eu sei, baseado no que vivi em minha vida, que o Evangelho é o que muda o coração dos homens. No momento de estar na bolha, estou dizendo: ‘Olhe, vejo todas as coisas que você vê, mas não consigo pensar em uma mensagem ou antídoto maior para os tempos em que estamos vivendo além do Evangelho’”.

‘Ele nos amou primeiro’

Jonathan Isaac acrescentou que sua convicção vai além: “Acredito que se podemos escolher amar as pessoas da maneira que Deus nos ama, que é apesar de nossas falhas, apesar de nossos erros, apesar de nosso pecado, e podemos escolher perdoar as pessoas da maneira que Deus nos perdoa e, finalmente, voltamos a Deus em primeiro lugar, podemos ter a mudança real que todos desejam obter, mas estão tentando fazê-lo por medidas alternativas”.

Por ter se tornado esse personagem que contraria o senso comum e toda a narrativa reverberada em uníssono pela mídia, Jonathan Isaac decidiu publicar um livro: Why I Stand (“Porque não me curvo”, em tradução livre do inglês).

Nele, o atleta cristão narra sua jornada de decidir priorizar a opinião de Deus – mesmo que isso signifique o ostracismo social – e as dificuldades enfrentadas.

“O basquete realmente me deu aquela máscara de ‘estou bem, estou em paz, estou indo muito bem’, mas ao mesmo tempo, nunca quis não jogar bem porque sempre pensei que ia perder tudo pelo que trabalhei. Então, sempre foi sobre trabalhar e precisar se apresentar para a aceitação e o amor dos outros”, relembrou.

Na temporada 2019-2020, ele se lesionou e ficou afastado por 39 jogos, e esse período foi transformador para sua vida, pois um encontro casual com um homem num elevador o levou a rever tudo.

“Posso lhe dizer como ser grande. Você tem que conhecer Jesus”, foram as palavras do desconhecido. O jogador disse que ouvir isso o surpreendeu: “Cresci cristão. Mas eu estava vivendo minha vida; Eu estava determinado a experimentar tudo o que a NBA tinha a oferecer. Eu tinha esse tipo de cristianismo clichê, onde vou à igreja de vez em quando ou quando as coisas ficam difíceis, eu oro, mas não era real ou tangível”.

Esse encontro, combinado com vários casos em que Deus inegavelmente interveio em sua vida, o levou a uma mudança completa: “Cheguei ao ponto em que Deus se revelou a mim através de um conjunto de circunstâncias que finalmente disse: ‘Uau, Deus, você me ama. Eu não tenho que trabalhar para isso. Eu não tenho que ser perfeito’”, lembrou.

“Eu estava acostumado a fazer isso; Eu estava tão acostumado a andar por aí com tanta ansiedade e tentar planejar… porque eu não queria que ninguém me rejeitasse. E então foi a primeira vez na minha vida que eu pude respirar e dizer: ‘Ei, estou bem. Tipo, Deus me ama por mim; Eu não tenho que atuar, eu não tenho que fazer um arremesso’”.

Depois de dedicar sua vida a Cristo, Isaac disse que embarcou em uma jornada de crescimento como cristão e de defesa de sua fé – uma jornada que tem sido gratificante e difícil. E ele admitiu que a escolha de se manter firme diante da pressão lhe rendeu algumas “reclamações e muita reação”.

“Eu decidi que estarei disposto a me levantar e compartilhar minhas opiniões da mesma forma que outra pessoa está de pé ou ajoelhada no hino nacional para compartilhar as suas. Não foi a coisa mais fácil de fazer. Mas eu definitivamente tenho as pessoas certas ao meu redor. Mais uma vez, eu sei o que estou defendendo. Eu fui capaz de empurrar as ervas daninhas e continuar me movendo”, enfatizou.

Frequentador da JUMP Ministries Global Church, uma igreja não-denominacional em Orlando, Flórida, ele ponderou que sua ideia não é demonizar os outros por suas crenças, visto que ele mesmo nem sempre se posicionou da maneira correta.

Citando Mateus 10:32 (“Quem me reconhece diante dos outros, também reconhecerei diante de meu Pai Celestial) e Romanos 8:28 (“E sabemos que em todas as coisas Deus opera para o bem daqueles que o amam, daqueles que foram chamados segundo o seu propósito”) como versículos que lhe inspiram diante das críticas, declarou que seu objetivo é “liderar com amor” e “abordar todas as situações com gentileza e humildade, compartilhar meus pontos de vista e apenas conversar sobre isso”.

“Isso me ajuda, em minha mente, a reiterar quando estou falando com as pessoas, quando estou lidando com pessoas e apenas amando as pessoas onde elas estão, e deixando Deus e o Espírito Santo fazerem o resto. Você não precisa necessariamente pregar Jesus para as pessoas; você pode ser um exemplo de Jesus para as pessoas”, aconselhou.

“Todos nós estamos aquém da glória de Deus. Todos nós já estivemos em um lugar onde estávamos fora de Cristo. E, finalmente, a única razão pela qual somos cristãos em primeiro lugar é porque Deus nos amou primeiro… […] Acho que muitas pessoas que estão fora de Cristo se sentem demonizadas; eles sentem que não são amados e, às vezes, apenas conhecer alguém onde estão e amá-los onde estão é parte do [processo para] vê-los mudar”, pontuou, citando I João 4:19 (“Nós o amamos porque ele nos amou primeiro”) como seu versículo favorito.

“Eu só espero que eu possa ser um farol de luz e um exemplo para todas as crianças por aí que Deus, em última análise, tem o seu melhor interesse no coração e Ele tem um destino e um plano para sua vida”, finalizou.





Gospel Mais Notícias

ADDRESS

908 New Hampshire Avenue #100, Washington, DC 20037, United States

PHONES

Phone: +1 916-8745-2235
Mobile: +1 916-875-22345
Fax: +1 916-8745-22357

E-MAIL ADRESS

email@email.com